05 novembro, 2010

0 A Prioridade das Institutas – Alister McGrath



A forma mais conveniente - e, como devemos sugerir, a mais confiável -de apresentar um esboço da perspectiva de Calvino sobre o Cristianismo consiste em distinguir os temas centrais da edição de 1559 das Institutas da Religião Cristã. O próprio Calvino, de forma explícita, identificou as Institutas como a única apresentação oficial de suas idéias religiosas. Isso não quer dizer que outras fontes em potencial para essas idéias - por exemplo, seus comentários bíblicos ou seus sermões - sejam totalmente apagados pelas Institutas. Tampouco significa subestimar as incríveis habilidades de Calvino como comentarista bíblico ou pregador. Certamente é verdade que, ao menos em alguns casos, é possível construir os principais esboços de suas doutrinas a partir de uma pesquisa em seus comentários bíblicos.' Além do mais, os comentários geralmente não possuem o tom irritadiço e petulante, ocasionalmente beirando o desagradável, que é característico de certos trechos das Institutas de 1559. Afigura nada atraente de Calvino como autor, provavelmente um reflexo das progressivas debilidades que o desgastavam, relacionadas tanto ao seu envelhecimento quanto à sua enfermidade, é considerada, geralmente, como uma das principais deficiências de sua obra. O tratamento que ele dispensava a seus oponentes, particularmente a Andréas Osiander, é agressivo e arrogante, com uma lamentável tendência de combinar o criticismo de idéias ao criticismo da pessoa daqueles que as defendiam. O contraste com Tomás de Aquino é particularmente acentuado: sua obra Summa Theologiae se caracteriza pela considerável moderação, mesmo naqueles pontos em que Aquino está claramente expondo idéias que ele considera equivocadas. Por outro lado, os comentários de Calvino constituem uma leitura muito mais agradável. No entanto, devem ser observados dois potenciais perigos, no fato de se priorizar os comentários.

Em primeiro lugar, a rigorosa concepção de Calvino sobre o papel do comentarista em relação ao texto, evidenciada desde o comentário de Sêneca, coloca severas restrições à sua liberdade para proceder à transição hermenêutica crucial entre a exposição das Escrituras e a afirmação teológica. Calvino não concebe o termo "teologia" como algo que signifique apenas uma "explicação da Bíblia", embora ele não possua a menor intenção de

separar a teologia da explicação das Escrituras. Ainda que ele considere a teologia como "um eco do texto bíblico", esta não representa, estritamente falando, um comentário sobre o texto, mas uma estrutura de interpretação através da qual o texto pudesse ser compreendido. Fica claro que, ao comentar os textos, Calvino freqüentemente sente que não é adequado fornecer uma explicação detalhada sobre todas as implicações doutrinárias presentes em uma dada passagem. Em parte, isso reflete sua consciência da necessidade de lidar com os aspectos históricos, lingüísticos e literários, levantados por aquela passagem. Contudo, isso também se baseia na sua clara pressuposição de que seus leitores iriam se referir às Institutas como a fonte principal de toda a sua teologia - e, conseqüentemente, de seu método de interpretação das Escrituras. Os comentários podem esclarecer aspectos particulares dos textos bíblicos; as Institutas fornecem uma estrutura através da qual a essência da proclamação bíblica pode ser percebida e compreendida. Calvino claramente considerava seus comentários bíblicos como subordinados às Institutas, em alguns aspectos; estes não pretendiam ser um substituto independente e não podem ser tratados como se assim o fossem. Se é que existe um único auxilio à leitura das Escrituras, que supera todos os demais dentre suas obras e que foi idealizado como tal pelo próprio Calvino, este são as próprias Institutas, mais do que qualquer comentário sobre uma passagem bíblica especifica.

Em segundo lugar, as exposições teológicas de Calvino freqüentemente se baseavam em uma análise detalhada da relação das diversas partes que constituíam seu sistema, incluindo a exploração de possíveis dificuldades e a avaliação de alternativas contrárias. Esse esforço é real no contexto das Institutas, especialmente na edição de 1559. A plenitude das nuances, ênfases e sutilezas do pensamento de Calvino pode ser, dessa forma, identificada e avaliada. Ao tratar de qualquer tópico em particular, na edi¬ção de 1559, o leitor pode estar seguro de que ele ou ela encontrará tudo o que Calvino considerava como essencial para compreender seu posicionamento em relação àquele tópico. Essa extensão não será encontrada pelo leitor dos comentários bíblicos que tentar determinar a posição de Calvino através do estudo de sua explicação sobre passagens bíblicas potencialmente relevantes. A pessoa é, efetivamente, forçada a consultar as Institutas para determinar se houve omissão de algum componente es¬sencial do pensamento de Calvino em um dado tema, admitindo, portanto, a prioridade daquela obra.


0 comentários:

Feeds Comments

Related Posts with Thumbnails