02 abril, 2010

0 Não há Verdade que flua do Homem - João Calvino



“Que seja Deus verdadeiro, e mentiroso todo homem” (Rm 3.4).

Seja qual for a interpretação que outros dêem a este versículo, eu o considero como sendo um argumento da conseqüência necessária de seu oposto. Por meio desta conseqüência, Paulo invalida a objeção precedente. Se as duas proposições, a saber: que Deus é verdadeiro e que o homem é mentiroso, permanecem juntas e se harmonizam, segue-se que a verdade de Deus não se invalida pela falsidade humana. Se Paulo não houvera contrastado estes dois princípios aqui, sua tentativa final de refutar o absurdo: como pode Deus ser justo, se ele enaltece sua justiça através de nossa injustiça? teria sido sem qualquer efeito. O significado, pois, é plenamente evidente: a fidelidade de Deus, a despeito de ser subvertida pela perfídia e apostasia dos homens, torna-se por isso mesmo mais evidente. Deus é verdadeiro, diz ele, não só porque está sempre pronto a permanecer fiel às suas promessas, mas também porque cumpre efetivamente tudo quanto declara em sua Palavra; pois ele diz: "Segundo meu poder, assim também será meu agir." O homem, em contrapartida, é mentiroso, não só porque às vezes quebra seus compromissos, mas também porque, por sua própria natureza, corre após a falsidade e foge da verdade.

A primeira proposição é o principal axioma de toda a filosofia cristã. A segunda é tomada do Salmo 116.11, onde Davi confessa que não há no homem, nem dele procede, nada verdadeiro e justo.

Esta passagem é mui notável, e contém uma consolação muitíssimo necessária. Tal é a perversidade humana em rejeitar ou menosprezar a Palavra de Deus, que o homem freqüentemente duvidaria de sua veracidade, caso não se lembrasse de que a verdade de Deus não depende da verdade do homem. Mas, como isto se harmoniza com o que Paulo já mencionou previamente, ou seja: que a fim de tornar eficaz a promessa divina, a fé, que a recebe, é exigida dos homens, para que a promessa seja eficaz? Fé é o oposto de falsidade. A questão certamente aparenta dificuldade, porém se fará mais simples se compreendermos que o Senhor, a despeito das mentiras dos homens, que de certo modo se constituem em entraves à sua verdade, sempre encontrará um caminho por onde não existe caminho algum, de modo que ele emerja vitorioso ao corrigir em seus eleitos a inerente incredulidade de nossa natureza, e ao subjugar à sua obediência aqueles que aparentavam ser invencíveis. Deve-se salientar que Paulo está, aqui, argumentando sobre a corrupção da natureza, e não sobre a graça de Deus, a qual é o antídoto para essa corrupção.

Para que sejas justificado em tuas palavras. Eis o significado: Em vez de nossa falsidade e incredulidade destruírem a verdade de Deus, elas a tornam ainda mais evidente e mais proeminente. Davi dá testemunho a este respeito, dizendo que, visto ser ele um pecador, tudo quanto determine Deus fazer-lhe, será ele sempre um Juiz justo e eqüitativo, e dominará todas as calúnias dos ímpios que murmuram contra sua justiça. Pelo termo palavras de Deus, Davi quer dizer os juízos divinos que Deus pronuncia contra nós. Entender isto como sendo as promessas de Deus, como comumente se faz, seria por demais forçado. A partícula que  portanto, não é final, e não se refere a uma conseqüência forçada, mas sugere a conclusão: "Foi somente contra ti que pequei, portanto me punirás com justiça." A objeção imediatamente adicionada -"Como seria possível a justiça de Deus permanecer perfeita se a nossa iniqüidade realça sua glória?" - prova que Paulo citou esta passagem de Davi em seu sentido genuíno e apropriado. Como já observei, Paulo teria em vão e inoportunamente prendido a atenção de seus leitores nesta dificuldade, se Davi não houvesse entendido que Deus, em sua extraordinária providência, fizesse até mesmo os pecados humanos glorificarem sua própria justiça.

Eis a segunda cláusula em hebraico: E sejas puro em teu julgar. Esta expressão significa simplesmente que Deus, em todos os seus juízos, é digno de louvor, não obstante muitos ímpios bradarem e com furor se esforçarem por extinguir a glória divina por meio de suas murmurações. Paulo seguiu a versão grega [Septuaginta], a qual também adaptou ao seu melhor propósito aqui. Sabemos que, ao citar a Escritura, os apóstolos às vezes usavam uma linguagem mais livre do que a original, desde que ficassem satisfeitos se o que citavam se aplicasse bem ao seu tema, e daí não se preocupavam muito com o uso [rigoroso] das palavras.

Portanto, eis a aplicação da presente passagem: "Se porventura algum dos pecados humanos fizer sobressair a glória do Senhor, e se ele for especialmente glorificado por sua verdade, então segue-se que até mesmo a falsidade humana serve para confirmar - em vez de subverter - sua verdade." Embora a palavra no grego possa ser considerada tanto ativa quanto passivamente, todavia os tradutores gregos indubitavelmente a tomaram num sentido passivo, contrariando o significado do profeta.



0 comentários:

Feeds Comments

Related Posts with Thumbnails